Resiliência: um potencial humano

A apresentação da paratleta, Amy Purdy, na Abertura da Paralimpíada 2016, entre outras, emocionaram-me, profundamente, e levaram-me a reconectar e atualizar informações e considerações sobre resiliência.

No site de notícias, Huffington Post Brasil, é possível acessar alguns trechos (dois vídeos) da sua apresentação artística – no dia 7 de setembro: Amy Purdy faz belíssima dança com robô industrial.

Com o pesquisador Esdras Vasconcellos, doutor em psicologia, professor do Instituto de Psicologia da Usp, em um treinamento da Afecc – Associação Feminina de Educação e Combate ao Câncer (Hospital Santa Rita), certa vez, colhi algum conhecimento a respeito do significado de resiliência. Ele apresentou a resiliência como um sentimento que surpreende a medicina e a psicologia, haja vista as manifestações potentes de superação, diante de adversidades, promovidas pelo desenvolvimento dessa força, desse potencial humano.

A resiliência é impulsionada por um comportamento de confiança, de auto-percepção ativa, que gera uma força intra-psíquica, atuante no desenvolvimento de emoções e sentimentos que acionam conexões neurais benéficas, para a capacidade de superação. O professor apontou algumas características do comportamento resiliente, identificadas em suas pesquisas científicas: senso de humor; senso de responsabilidade; disciplina e flexibilidade, entre outras.

O professor Esdras Vasconcellos afirmou que, muitas vezes, por exemplo, não se cura a doença, mas, por meio de um comportamento resiliente, é possível conquistar uma forma saudável de lidar com ela, suavizando efeitos, aumentando o bem estar.

Tânia Macedo, psicóloga, consultora comportamental, que também colaborou no Treinamento da Afecc, defendeu a ideia de que é importante avaliar a educação que recebemos, suas consequências profundas e duradouras. De acordo com ela, comportamento é aprendizado possível de mudanças, por meio do desenvolvimento de novas atitudes comportamentais, competências emocionais.

“Eu não sou o que aconteceu comigo, eu sou o que eu escolhi me tornar.”

— Carl Gustav Jung

A temática abordada no Treinamento da Afecc se conecta aos estudos realizados por Emilia Lahti, estudiosa e pesquisadora de psicologia positiva, que como já compartilhei, por aqui, é idealizadora de Sisu, expressão finlandesa que denota força mental e determinação, suas pesquisas têm conquistado reconhecimento internacional. Transformou a própria história de superação, em incentivo para criar uma plataforma de pesquisa e conhecimento a respeito do que ela define como tenacidade humana. Ela estudou Psicologia Positiva, na Universidade da Pensilvânia, onde foi aluna do Dr. Martin Seligman, fundador da Psicologia Positiva. Emilia busca criar soluções práticas e fortalecedoras para aliviar o sofrimento humano e aumentar o bem estar. “Como nós respondemos à adversidade, tem um impacto significativo sobre nosso bem estar (…)” – afirma a pesquisadora. Vídeo: Transforming barriers into frontiers
paraolimpiada-arte-amanda-mol
© Arte da ilustradora Amanda Mol à convite do Comitê Paralímpico Brasileiro – CPB
A Paralimpíada 2016 está nos oferecendo uma valiosa oportunidade para conhecer inúmeras histórias, positivamente, inspiradoras, comportamentos resilientes que nos inspiram bem estar, esperança, empatia, otimismo, alegria de viver… A abertura dos Jogos Paralímpicos 2016 impactou cada coração presente, com apresentações que uniram esporte, tecnologia e arte, numa atmosfera de muita criatividade e sensibilidade, um convite para ampliarmos nossa visão de mundo, nossa capacidade de criar relações mais inclusivas,  respeitando a diversidade. 
laura-martins-foto-marta-alencar
Laura Martins, em visita ao Museu do Amanhã – Rio de Janeiro, 2016 – Foto: © Marta Alencar
Conhecer histórias de superação é uma forma de renovar e revigorar nossa confiança no potencial humano, capaz de superar as adversidades e realizar uma nova realidade, digna, criativa e significativa. Lembra da história de Laura Martins, criadora do Blog Cadeira VoadoraLaura esteve presente, na Abertura dos Jogos Paralímpicos, você poder verificar seu entusiasmo, em seu perfil do instagram. E caso ainda não conheça, vale a pena, acessar o Blog Cadeira Voadora, para conhecer a sua história de determinação e superação.
amy-purdy-fotofanpage
Amy, apreciando o florescimento das Árvores de Cerejeira – Japão, 2016 ♡                       Foto: © Fanpage Amy Purdy

A trajetória de Amy Purdy também é admirável. 

“Honestamente, não sei dizer de onde tirei a força. Foi uma sucessão de dificuldades no hospital. Pouco tempo depois, eu ainda tive que amputar os meus pés por conta da necrose. Esse foi realmente um momento de virada para mim. Depois de perder as pernas quase inteiras, do joelho para baixo, percebi o quão difícil iria ser, o quão desconfortável e doloroso seria o processo. Fiquei deprimida. Não sabia como faria as coisas que amava. Mas depois de um tempo eu cansei. Cansei de estar doente e de estar cansada. Minhas pernas não iriam voltar, então o que poderia fazer?” – Amy Purdy, em depoimento à jornalista Júlia Korte; para ler o conteúdo completo, é só clicar no link: Por um sentido na vida.

Por um sentido na vida é o título do livro que Amy escreveu, após perder as pernas (Editora Agir, 239 páginas).

“Em Por um sentido na vida, Amy demonstra que é possível permanecer forte após uma tragédia e divide uma série de princípios espirituais que mostram nosso potencial infinito de crescimento. Uma mulher notável — é uma joia de livro.” 

O comentário acima é do médico indiano, escritor e professor Deepak Chopra, que há muitos anos mora e trabalha, nos Estados Unidos, onde fundou o Centro Chopra para o Bem Estar – Chopra Center for Wellbeing, que baseia-se em três pilares: meditaçãoAyurvedayoga .

livro-florescer-bem-estar-seligman
Página do livro Florescer: Uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem estar, de Martin Seligman – Foto: Praia de Itapoã, Vila Velha – 2016

Eu não sei se Deepak Chopra e Martin Seligman possuem algo, publicamente, reconhecido, por ambos, como ponto comum, em suas respectivas teorias. Mas, sei que ambos se dedicam a propagar práticas positivas para potencializar o bem estar das pessoas.

Descobri a Psicologia Positivapouco antes de ingressar no curso de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo. E, desde então, venho dedicando-me a estudá-la. Ontem, comecei um novo fichamento, do livro Florescer – Uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem estar. Ao esclarecer o tema focal de estudo, da Psicologia Positiva – o Bem Estar, Martin Seligman define cinco elementos que o constituem: emoção positiva, engajamento, sentido, relacionamentos positivos e realização, que são sustentados pelas forças pessoais.

Mesmo antes de descobrir a Psicologia Positiva, eu já havia desenvolvido o interesse por investigar o aspecto multidimensional que constitui o bem estar humano, assim como, recursos e práticas que o potencializam. Encontrar uma escola de pensamento, um movimento científico, que se dedica ao assunto, com profundidade e, ao mesmo tempo, acessibilidade, gera entusiasmo e vontade de seguir em frente, estudando, pesquisando, propagando informação e conhecimento. 

Certamente, Amy Purdy, Laura Martins e tantos outros exemplos, se tornaram referências para a criação de uma vida agradável, significativa, engajada, realizadora, positiva, acima das adversidades, por meio do investimento que fizeram no desenvolvimento de suas forças de caráter, de suas forças pessoais

Como prometido, no último texto – Vida & Propósito – em breve, publicarei conteúdo dedicado ao conceito de forças pessoais, em Psicologia Positiva.

24forcas-blog-aminhacarreira
© Blog A Minha Carreira

Curiosidades / Informações:

O professor Esdras Vasconcellos foi orientador de Angelita Scardua, em sua pesquisa de mestrado, considerada como trabalho acadêmico pioneiro, no Brasil, em pesquisa sobre Psicologia Positiva: Mestrado em Psicologia Social – Título: Felicidade e individuação: um estudo exploratório do desenvolvimento adulto baseado na psicologia positiva e na teoria de Jung (2003).

A relação entre processos intrapsíquicos, história de eventos de vida e suas influências nas enfermidades estabelece a dimensão psicossomática das pesquisas realizadas pelo professor Esdras Vasconcellos.

~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ 

livro-florescer-martin-seligman
© Editora Objetiva
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s